Pedro Ton – por Pedro Ton (5).

 

Os artistas Malu Teodoro, Pedro Ton e Suttane Hoffmann ocupam os canais virtuais do instituto para mostrar seus trabalhos e processos

 

Em resposta aos desafios decorrentes do COVID-19 e seus efeitos no setor cultural, o ia – Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto dá início ao Ocupa/ia, com mostras digitais de artes visuais. De 21 de junho 9 de julho, a cada semana, os artistas Malu TeodoroPedro Ton e Suttane Hoffmann, respectivamente, ocupam as redes sociais (Facebook e Instagram) e site do Instituto para mostrar seus trabalhos e processos. Após esta primeira fase, mais seis artistas assumem o espaço em semanas consecutivas até o dia 20 de agosto.

Colocando em debate a efetividade dos meios digitais e a problemática de acessibilidade e temporalidade, o Ocupa/ia explora novas formas de habitar o virtual, incentivando a exposição de trabalhos a partir dessa perspectiva. “Pensamos essa iniciativa para dar apoio à comunidade artística, com o objetivo de amenizar os efeitos econômicos e sociais deste momento de pandemia. Nesse sentido, o ia dá continuidade à sua missão, abraçando a diversidade social, econômica, de gêneros e vivências”, explica a presidente Bel Gurgel.

O programa tem como objetivo questionar a forma que as redes sociais podem colaborar com mostras e criar outras maneiras de produzir e estar no mundo, evidenciar territórios invisíveis e fazer circular arte.

O Ocupa/ia adota a ideia de tornar as redes digitais das instituições artísticas como meio de reaproximação do ambiente físico. A ampliação do conceito de espaço é a “cocriação” das redes sociais, o espaço público expandido. É a forma de descentralizar e romper com uma circulação da arte focada apenas no eixo Rio-São Paulo. Cocriar é provocar a existência, continuar construindo sobre a ideia do outro e vice-versa, sem as travas do passado.

“Atualmente pretendemos formar um acervo digital, não físico. O ‘contemporâneo’ é o clique, o efêmero e nossas propostas vêm de encontro a esse pensamento. O Ocupa/ia visa ampliar os horizontes do espaço digital por meio da arte neste momento pandêmico tendo a rede social como alicerce. E, num futuro breve, a ocupação tende a ser, paralelamente à digital, também urbana nas cidades de Ouro Preto, Mariana e região, sugerindo uma revisitação às cidades do passado, um novo ciclo”, completa Bel Gurgel.

Na primeira fase do projeto, os artistas, selecionados via convocatória, se apresentam, falam de seu processo criativo, mostram a obra em si e contam sobre sua visão de arte dentro da pandemia.

Sobre os artistas:

Malu Teodoro

Nascida e criada em Porto Velho, Rondônia, Malu é mãe e artista multimeios. Ao longo de sua trajetória pessoal/artística esteve por São Paulo, México, Pará e Portugal. Hoje vive em Uberlândia, Minas. Em sua pesquisa dedica-se à fotografia, vídeo, corpo, caderno, bordado, educação, maternidade e feminismos. Malu Teodoro vai compartilhar seus trabalhos mais recentes, que foram atravessados pela maternidade. Ela apresenta um filme sobre o parto de sua filha, com texto, áudio e vídeos deste momento na tentativa de criar uma narrativa de um momento que, segundo ela, não há palavras para contar.

Pedro Ton

Desde 2017, investiga caminhos do fazer artístico em diálogo com a magia e espiritualidade. Esses processos contribuíram para sua reflexão sobre os modos de criação e percepção da arte e realimentam sua formação enquanto artista-mago. Investigando a relação entre magia e arte percebeu melhor a grande diversidade e simbiose de formas espirituais na construção da narrativa cultural e religiosa do Brasil, sobretudo, nos saberes populares ancestrais. Durante o contexto de isolamento social, suas práticas se deram a partir de materiais disponíveis em casa, o que possibilitou descobrir e experimentar novas formas de criação e o nascimento do Oráculo Experimental.

Suttane Hoffmann

Suttane Hoffmann é moradora de Ouro Preto e fotógrafa, formada em Artes Cênicas – Bacharelado, pela Universidade Federal de Ouro Preto. Busca explorar e experimentar as possibilidades trazidas pela máquina fotográfica, mas, também, meios de produzir imagens de forma simples, acessível e com poucos recursos. Recorrendo às técnicas artesanais de produção como ferramentas de expressão.

 

Sobre ia – Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto

O ia – Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto tem por sua natureza fomentar o encontro e intercâmbio entre a população de Ouro Preto, artistas e artesãos locais e agentes do campo da arte de outras regiões. O embate entre tradição (representada pelo esplendor barroco da cidade patrimônio cultural da humanidade) e a contemporaneidade (com foco no caráter efêmero da arte contemporânea) constitui a essência do ia, a partir de quatro pilares principais: a troca entre diferentes atores sociais, o diálogo entre linguagens artísticas distintas e entre o passado, o presente e o futuro, a desconstrução do status quo que subjuga a arte ao mercado e a tendências regidas pelo mercado e a decolonização, como forma de se criar e produzir arte contemporânea, a partir da reverência, reconhecimento e legitimação de epistemis e práticas culturais, sociais e políticas da América Latina e do Brasil, especificamente.

 

SERVIÇO:

Ocupa/ia
De 21/06 a 25/06 – Malu Teodoro (@mariameteora)

De 28/06 a 02/07 – Pedro Ton (@sereio_mar)

De 05/07 a 09/07 – Suttane Hoffmann (@suttanehoffmann.ph)

//ia.art.br/

//www.instagram.com/iaouropreto/

//www.facebook.com/iaouropreto


atualizado em 23/06/2021 - 13:51

comentários